Não é exagero dizer que a NetherRealm redefiniu o conceito de contar historia em um game de luta. O velho formato arcade com lutas e imagens estáticas em alguns momentos,ainda que existente fora substituído por um modo historia coeso contado em capítulos que deu uma estrutura inédita para os jogos do gênero  e praticamente se tornou obrigatório e copiado pelas concorrentes.

Com Injustice 2 o estúdio continua sua ótima habilidade em contar historias e acerta mais uma vez, trazendo um jogo ainda mais equilibrado, bonito e que continua uma história excelente, no mesmo nível do primeiro.

O primeiro game da série trazia a premissa de que o Superman virou um ditador global, abusando de seu poder para controlar o mundo depois que o Coringa assassinou Lois Lane. Assim, ele perde o controle e seus amigos da Liga da Justiça.

Injustice 2 começa exatamente do ponto onde o primeiro game termina: Superman está preso e os heróis divididos. Alianças foram despedaçadas e outras refeitas, o que deu uma ótima abertura para que eternos vilões estejam lutando ao lado de heróis e que os bonzinhos tenham atitudes malvadas. A maneira com a qual o jogo apresenta a história, essa ruptura da Liga da Justiça (principalmente como outros ex-membros da equipe culpam o Batman) e uma ameaça enorme que é a chegada de Braniac à Terra mostram que o universo da DC é riquíssimo e o game consegue explorar bem e nos fazer ficar presos pelas horas da campanha.

Como não poderia deixar de ser, a história da Campanha faz com que você jogue com quase todo o elenco do game com uma novidade: alguns capítulos são jogados em dupla, você pode escolher entre um e outro personagem para a luta. É o melhor meio de conhecer as características de cada um, aprender golpes e combos e descobrir quais são seus favoritos.

O roteiro é simples e direto e muito gostoso de acompanhar, algo que a DC poderia levar para se Universo Cinematográfico, uma vez que a NetherRealm está sabendo utilizar o potencial do universo DC que a própria Warner/DC.

Por melhor que seja a campanha, é a jogabilidade que mais importa num jogo de luta, e Injustice 2 traz refinamentos que tornam o jogo melhor do que o primeiro. É aquele limiar perfeito entre ser familiar o suficiente para não ter que aprender a jogar de novo, mas com inovações para sentirmos que estamos jogando um novo game. E muito disso se deve ao novo sistema de equipamentos.

Os equipamentos foram uma excelente adição ao game que, além de tornar o jogo muito mais atrativo, acabam casando perfeitamente com o “multiverso” da DC, já muito conhecido para os fãs das HQs. Os equipamentos permitem customizar amplamente o visual de cada personagem e alterar alguns de seus atributos. É possível ainda criar composições diferentes, para enfatizar mais o ataque ou a defesa, por exemplo, deixando seu lutador principal preparado para enfrentar diferentes tipos de adversários. Como um extra muitíssimo interessante e muitíssimo bem-vindo, alguns personagens contam com uma skin alternativa em suas opções de cores que transformam eles em outro lutador, inclusive com outras falas. São aproveitados os movimentos e o gameplay do lutador, mas aumenta ainda mais a variedade. É o caso, por exemplo, do Capitão Frio. É possível comprar a skin do Sr. Frio para ele. Quando equipada, ela muda não só a aparência, mas também as falas do personagem.

Para obter equipamentos o jogador cumpre desafios, joga no multiplayer, etc. Equipamentos específicos podem ser liberados, dependendo do momento, mas a maior parte do tempo você junta moedas do jogo para comprar caixas no cofre do “Irmão Olho”. Essas caixas liberam equipamentos aleatórios para todos os personagens. Elas podem ser compradas com dinheiro real também.

E é esse sistema de equipamentos que aumenta muito o valor da adição de outro recurso: o “Multiverso”. Este modo de jogo é muito semelhante às torres do Mortal Kombat X. Aqui são planetas que o jogador escolhe. Na prática, são conjuntos de batalhas específicas que podem ter diferentes condições, como armadilhas, ou boosts, por exemplo. Cumprir essas batalhas libera prêmios específicos. Os planetas estão sempre se alterando, com sua duração variando entre semanas a até apenas algumas horas, fazendo do Multiverso um excelente atrativo para quem gostou do game querer jogar todo dia e liberar novos equipamentos. Como ponto extra, no Multiverso os adversários sempre aparecem com equipamentos e visuais variados, ajudando ainda mais a manter um ar de novidade no gameplay.

Os gráficos e especialmente o design do game estão excelentes. O grande destaque nessa parte vai para as animações, seja nas cutscenes ou durante a luta mesmo. A expressividade dos personagens é muito bem capturada, algo que não se espera que seja tão bom num game de porrada. O nível de qualidade das expressões faciais que temos aqui é algo que se esperaria mais num jogo mais dependente da sua história, como num RPG espacial baseado em escolhas e relacionamentos, por exemplo. E tudo isso rodando a fluidos 60 frames por segundo.

Isso sem contar o design dos cenários, que não só são muito bem elaborados, mas também “participam” da luta. A interação com objetos do cenário foi consagrada no primeiro Injustice e retorna aqui, então o capricho do desenvolvimento do campo de batalha conta não só nos gráficos mas também no gameplay, resultando num combate que parece natural e integrado ao ambiente onde estão os lutadores.

Outro ponto positivo é a dublagem, que está impecável. Praticamente todas as vozes são dos dubladores oficiais dos personagens nos desenhos e nos filmes e todos fazem um trabalho incrível tanto para fazer o jogador compreender a história quanto passar a emoção.Destaque para voz do Batman feita neste game por Marcio Seixas, o dublador do personagem nas séries animadas e que marcou uma geração.Simplesmente é incrível jogar com o personagem e ouvir a voz de Marcio nele! Ponto para a Warner Games Brasil que investiu nesse elenco de peso.

O modo online apresenta uma área de partidas casuais, boa para treinar, e competitiva, onde você vai colocar suas habilidades em teste contra jogadores habilidosos. Em todos os testes que fiz (a versão testada foi no PS4), não tive nenhum problema de lag e as lutas aconteceram normalmente.

Com certeza, Injustice 2 melhora tudo o que o primeiro game trouxe, trazendo batalhas mais refinadas, ágeis e velozes. Ele foca no jogador casual, que quer brincar com seus heróis favoritos e ter um jogo de luta com um dos melhores visuais do mercado e ao mesmo tempo, ele não esquece dos jogadores mais dedicados, ao trazer um sistema de combate refinado, baseado em combos, que exigem técnica e precisão, algo que quem quiser se dedicar pode aprender a dominar. O Multiverso e os equipamentos que mudam os uniformes e dão novos atributos também tornam o jogo um dos melhores do gênero no momento.