Vampiros. Vampiros aqui, ali, lá e acolá… Depois do clássico (e praticamente o único exemplo perfeito da espécie (pra mim) Conde Drácula, os vampiros parecem estar em todo lugar. Depois da Saga Crepúsculo imaginei que a onda havia sido saturada (assim como os bruxos após Harry Potter ou os Elfos após Senhor dos Anéis), mas estava redondamente enganada.

O romance de estreia de Jhone Amaral, um estudante de jornalismo que vive em Salvador, conta parte da história do vampiro Miguel e a humana Giulia que, por manobras do destino, se apaixonam e engatam num romance praticamente automático. Ele, que se considera um monstro, não tem memórias do passado enquanto ela possui um histórico conturbado. Juntos os dois precisam encarar diversas descobertas sobre o mundo sobrenatural e convivência entre humanos, além de um relacionamento conturbado e improvável.

Pessoalmente falando, Noites tem um ar de fanfiction original que virou livro. A narrativa peca por falta de suavidade e o livro, por completo, por falta de revisão. A ideia – claramente boa – ficou um pouco apagada pela ansiosidade do autor, típica de iniciantes. Giulia, talvez por seu passado, tem algumas características exageradas e outras pouco abordadas, enquanto Miguel aparenta possuir apenas uma personalidade unidimensional, o quê não me ajudou em termos de empatia.

Passado numa cidade fictícia e primeiro volume de uma série, a obra foi inspirada na canção Born to Die, single da cantora norte americana Lana Del Rey, e possui potencial para sucesso caso os próximos livros abordem um pouco mais os vários personagens em seu interior, além da tão misteriosa origem e natureza dos clãs vampirísticos.

O livro foi publicado pela Editora Selo Jovem e é perfeita para adolescentes que buscam mistério e um romance diferente e instantâneo, e foi lançado em setembro de 2015, e é o primeiro de uma saga de 5 obras.

Confira a canção inspiradora: