Um dos animes mais falados dos últimos anos. É compreensível que essa repercussão traga mais produtos para a franquia, e o principal deles foi o mangá. O mais curioso é que houveram 4 adaptações para o papel (incluindo a light novel), entretanto, a que abordaremos nesse artigo é a primeira lançada (sim, estamos falando do caso de um mangá que veio após o anime) e a que mais se aproxima da animação exibida em 2011. Em 3 volumes, a história de Madoka Kaname e suas amigas será narrada.

Com o roteiro da Magica Quartet e as ilustrações sombrias de HANOKAGE, encontramos algumas diferenças entre os materiais que até então poderiam ser maiores. Por óbvio, quem viu o anime pode achar o material impresso dispensável, mas quem realmente amou a história ou gosta dos traços do gênero shoujo é uma coleção bem interessante. Enquanto o anime é elétrico e quase não nos permite ver as cenas de batalha com clareza, as ilustrações do mangá retratam a beleza em apreciar uma simples imagem.

Pra quem não conhece, o terror psicológico é uma das chaves por trás dessa história com capa rosa e kawaii, escondendo a real situação para só revelar quando as personagens descobrem o “glamour” de ser uma garota mágica. Abordando temas como amizade, lealdade e a busca pela realização de sonhos… é de tirar o fôlego acompanhar as aventuras das meninas, que a princípio devem pensar que a vida que escolheram é a mesma de uma Sailor Moon (seria meu sonho?). Como eu acentuei, elas são escolhidas, mas também escolhem essa condição em troca de um desejo: Qualquer coisa.

A Kyoko Sakura é uma garota mágica veterana, bastante egoísta em comparação as demais. Diferente da Homura Akemi que embora seja séria, é quem avisa as mais novas do sacrifício de aceitar o contrato. Mami Tomoe é a líder, e até a mais simpática por instruir as aspirantes a garotas mágicas. Sayaka Miki é a companheira de Madoka, bastante confiante e diferente de sua amiga, que é tímida e indecisa. Diante de tantas personagens, é difícil escolher uma, mas a Akemi é a favorita da maioria.

Kyubey é o mascote dessa história e quem administra essa organização. Oferecendo um contrato para as garotas, que após a adesão terão de destruir as aparições de bruxas pela cidade. Diferente do esperado, a decisão é sempre feita no momento mais difícil para as personagens e para o leitor ficará a lição de que não podemos impedir as coisas de tomarem o seu curso. As personagens possuem muita personalidade, e algumas levaremos pra vida!

Com páginas coloridas e ilustrações extras com comentários do mangaká, a edição se torna mais divertida. O acabamento da editora NewPop é de bom gosto e com um valor mais em conta que os das outras editoras. Quem gosta de fantasia e aventura terá mais um motivo para ler, até mesmo os meninos que vão julgar um mangá pela capa.

Mais um Otaku soteropolitano que faz cosplay no verão. Gamer nostálgico que respira música e que se sente parte do elenco das suas séries favoritas. Aprecia tanto a 7ª arte que faz questão de assistir um filme ruim até o fim. É um desenhista esforçado e um escritor frustrado por ser um leitor tão desnaturado. É graduando no curso de Direito e formado no de Computação Gráfica. “That’s all folks!"