Hoje é inegável dizer que o MCU (Marvel Cinematic Universe) não só tornou-se a franquia mais valiosa do cinema, superando os $ 13 bilhões na bilheteria, como estabeleceu um novo paradigma que mudou  a indústria do cinema: o universo compartilhado. 

Em sua última edição a Vanity Fair traz uma grande matéria especial sobre o MCU e o sucesso da franquia, explicando a sua gênese e o modo como as engrenagens funcionam. Em determinado momento, a jornalista Joana Robinson escreve:

“Outros estúdios, mais notadamente a Warner Bros, com a Liga da Justiça, tem tentado criar seu próprio [universo] interconectado de personagens. Por que tantos tem falhado em alcançar a estatura da Marvel? ‘Simples’, diz Joe Russo, co-diretor de Vingadores 3 e 4. ‘Eles não tem um Kevin [Feige].’”

Parece que não resta dúvida que o grande responsável pelo sucesso do MCU é o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, que venceu uma queda de braços com o presidente da Marvel Entertainment, Eike Perlmutter, e tornou-se o único responsável pela divisão de cinema da Casa das Ideias, respondendo diretamente apenas a Bob Iger, CEO da Disney.  A Warner tentou emular a fórmula elegendo Geoff Johns chefe-criativo da DC e principal responsável pelos filmes junto à Warner, mas não tem funcionado à contento. Talvez a explicação seja que, apesar de ser tão nerd quanto seu amigo Feige, Geoff Johns é basicamente um profissional dos quadrinhos, enquanto o presidente da Marvel Studios, apesar de ser também um grande expert em HQs, é principalmente um homem de cinema.

Vingadores: Guerra Infinita estreia 25 de abril de 2018 e Vingadores 4 para 09 de maio de 2019.