Em decorrência do escândalo envolvendo abusos sexuais por parte do produtor Harvey Weinstein, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas realizou uma votação que acabou decidindo sua expulsão do órgão. Confira abaixo o comunicado oficial:

 

No documento diz que “o Conselho de Governadores da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas se encontrou hoje para discutir as alegações contra Harvey Weinstein e votou acima dos dois terços majoritários necessários para que ele fosse imediatamente expulso da Academia. O fazemos não simplesmente para nos distanciar de alguém que não merece o respeito de seus colegas, mas também para mandar a mensagem de que a era de ignorância velada e cumplicidade vergonhosa para comportamentos sexualmente predatórios e abuso no local de trabalho na nossa indústria acabou. O Conselho continua a trabalhar para estabelecer padrões éticos de conduta que todos os membros da Academia serão exigidos a cumprir.

No último dia 5 de outubro, o jornal The New York Times  divulgou uma longa matéria que revelou que Weinstein comprou o silêncio de inúmeras atrizes e funcionárias para que estas não testemunhassem que foram abusadas pelo produtor. Logo após o magnata ser demitido da própria companhia que ajudou a criar — a poderosa Weinstein Co., que corre risco de fechar as portas por causa do escândalo — a prestigiada revista New Yorker liberou um artigo que esmiuça ainda mais as décadas de abusos e estupros perpetrados por Weinstein durante sua trajetória como um dos maiores nomes do cinema norte-americano.

Anteriormente admirado pela surpreendente vitória no Oscar de 1999, quando levou o troféu de Melhor Filme por Shakespeare Apaixonado, e pela influência que possuía em Hollywood, Weinstein hoje é o principal símbolo do lado mais sórdido da indústria. Denunciado por mais de 30 mulheres (até o momento), o produtor tornou-se alvo de investigações criminais abertas pelas polícias de Nova Iorque e de Londres.

Vale ressaltar, no entanto, que Weinstein não era o único membro da Academia de Cinema dos Estados Unidos acusado de cometer assédio sexual. Além do produtor, nomes como o do comediante Bill Cosby e do cineasta Woody Allen ainda continuam na lista de associados — e a julgar pelo comunicado oficial, a Academia não está nada satisfeita com a situação. Portanto, será que a expulsão de Weinstein vai acarretar o desligamento de outros sócios ou foi apenas um caso isolado? É preciso esperar para ver.