Estrelado pela Thalita Carauta, Duas de Mim conta a história de Suryellen, que com sua dupla jornada de trabalho, sustenta sozinha o filho, a mãe e a irmã. Até que ela como um bolo mágico e de repente… Tem duas dela.

O filme é daquelas comédia de cotidiano, sabe? Que você dá risada em várias partes e em muitas outras se reconhece ou reconhece alguém nos personagens. O riso vem mais pela situação do que através de uma piada. Isso não torna o filme ruim, muito pelo contrário. O que torna esse filme difícil é o elenco. Não, a escolha dos atores não foi ruim. O elenco é muito bom, realmente, mas pessimamente explorado.

Todo o filme fica em cima da Thalita Carauta. O carisma dela é contagiante e você facilmente gosta da personagem. Porém o longa vira um filme da Carauta e não da Carauta e grande elenco. Todo o longa é carregado pela protagonista e sua cópia, enquanto personagens promissores como o de Letícia Lima e de Luma Costa são jogados para escanteio com uma aparição aqui e ali para dar pano de fundo para a história. O mesmo acontece com o personagem de Márcio Garcia que tem um plot batido e genérico. Aparece do nada e desaparece do mesmo jeito. O mesmo acontece com a Alessandra Maestrini, apesar dela aparecer um pouco mais.

Então temos o Latino… Que faz o papel de Chicão, que varre cozinha de dia e de noite… É cover do Latino. Posso dizer que ele não é um ator ruim. Sério. Porém essa metalinguagem do Latino deixou minha cabeça em branco e eu só ria.

Quando os problemas com a cópia começam, o filme fica rápido, atropelado. O final não é de todo ruim, mas diria que é insatisfatório, por falta de uma palavra melhor. O filme tem seu mérito: é uma comédia suave, aquelas de sessão da tarde, com uma ou duas lições de moral no final.